Domingo, 31 de Janeiro de 2010

Naufrágio-Naufrago Sobrevivente

Naufrágio – Naufrago sobrevivente

2-Setembro 1972

Olá amigos marinheiros e companheiros que me seguem lendo as minhas proezas na vida de um marinheiro pescador.

Vou passar a relatar o meu naufrágio de um navio bacalhoeiro nos mares dá terra nova (Newfoundland-Canada) no Grands Banks. Que ficam mais ou menos a duzentas e cinquenta milhas marítimas dos Açores. e outras tantas de St. Jonhs Porto mais próximo no Canada

 

Eram seis horas da tarde do dia 2 de Setembro 1972 a bordo do navio bacalhoeiro RIO ANTUÂ fim de mais um dia de labuta de pesca tinha eu acabado de jantar, nunca mais vou esquecer tinha acabado de comer caras de bacalhau fritas com arroz,

Quando todos ouvimos o alarme fogooooo a bordo, tudo ficou em pânico sim porque naquele tempo ninguém estava preparado para combater o incêndio eu era um rapaz que tinha ido de verde (primeiro embarque) nesse ano nós tínhamos partido para ir pescar com as redes de malhar com seis baleeiras e cada uma pescava com 100 redes dividida por 25 cada caça, (caça) eram redes repartidas em grupos de vinte e cinco redes, e cada baleeira tinha quatro marinheiros a bordo, que todos dias saiam do navio mãe para irem a faina da pesca e os restantes ficavam a bordo para tratarem do peixe assim que nós chegávamos.

Voltando ao principio quando ouvimos o alarme eu não queria acreditar que assim fosse verdade, julgando eu que alguém estava brincado subi para o convés de cima e foi verificar se realmente era verdade, quando de reparei com toda verdade que o navio estava em chamas na casa da maquina eram chamas e muito fumo, era uma confusão total, nada estava organizado todos davam ordens e ninguém obedecia era a lei do mais forte, eu não sei o que me deu pela minha cabeça, disse para os meu botões vou buscar a minha mala e as minhas coisinhas que me pertencem, olhem como nós morremos sem darmos por ela, fui para o meu beliche comecei a tirar os meus pertences, tinha um relógio de marca butex peguei nele mas pensei ó eu não vou levar o relógio porque vou estragar com agua salgada e então deixei lá dependurado onde costumava ficar, mas lhes digo já não era eu em meu juízo, lá no convés de cima era só confusão gritos navalhas em punho, por o motivo que todos queriam ir nas baleeira que iam arreando e não se podia arrear mais do que cinco pessoas podia partir os cabos de arame, mas ninguém queria ouvir isso, porque aqueles que já tinham saído do navio nas baleeiras antes tinham fugido para longe do navio, e só faltava uma para ir para agua e ainda estava muita gente abordo, e o fogo começava cada vez alastrando mais e mais, quando venho a mim ninguém mais estava no rancho, (rancho) era onde nós dormíamos nos beliches

Quando saio do meu beliche dou conta que tenho o meu pé sangrando e não posso andar dou conta que tenho o pé todo esfolado e está desmanchado os tendões fora do lugar, lá consegui chegar ao convés de cima e ainda faltava a ultima baleeira para arrear para o mar já estavam dez homens mais do que o dobro que era permitido de peso, e os que lá estavam não deixavam mais ninguém entrar, não podia andar se não vou nesta baleeira estou lixado, porque ninguém me ajudava e eu caminhava só com um pé-coxinho, e nem as dores sentia e então esperei que quando arreassem a medida de eu dar um salto, eu pensei para mim é melhor e levar uma navalhada do que ficar aqui e ninguém me ajudar, e assim foi que aconteceu, lhes digo não sei onde eu ganhei tanta coragem, quando vi que estava a medida eu voei por ar que eles quando deram conta de mim já a baleeira estava chegando a agua mas conforme saltei ali fiquei não me pode mover mais já o meu pé estava parecia um pipo, recordo estivemos a volta de cinco ou seis horas esperando que outros navios chegassem

Porque estavam longe da posição que nos e encontrava-mos entre a cinquenta a sessenta milhas marítimas, nessa noite tinha falecido um pescador de um dóris  (bote de pesca)  tinha virado porque estava mau tempo, como recordo essa noite paz a sua alma descansa em paz camarada e amigo.

Fomos socorridos a volta da meia-noite pelo Navio Conceição, e lá fui tratado pior do que um animal ninguém quis saber de mim e dos que lá estavam, não havia lugar para nós dormir e

E descansar, estivemos naquele martírio até outro navio com mais condições chegar, e assim chegou o navio de nome Boa Viagem, onde passamos dois dias e então é que veio o e navio Hospital Gil Eanes aquele que se encontra de museu em Viana do Castelo, e então foi que viemos para terra para o porto de St Johns, onde permanecemos uns três dias até arranjarem os bilhetes para irmos para Portugal porque tinha-mos perdido toda documentação, e foi ai que eu andei de avião pela primeira vez, alem do azar era uma felicidade dentro do avião perecíamos umas crianças a brincar comer beber tudo quanto davam. Quando chegamos a Lisboa ficamos três dias e eu fui para o hospital cura o meu pé.

Quando tudo estava bem foi uma grande alegria abraçar os meus familiares.

Obrigado meu Deus.

Aqui ficam as memórias de um náufrago da pesca do bacalhau do Navio Rio Antuã

Uma parte da história como eu vivi esta parte do naufrágio.

O meu muito obrigado

Jimmy o Marinheiro

 

sinto-me: triste recordar
música: do mar
publicado por marinheirojimmy às 22:40
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Quinta-feira, 28 de Janeiro de 2010

Factos de um pescador

 

 

Factos de um pescador

Vou passar relatar um facto verdadeiro de um mocinho pescador

Na primeira vez em que fui para pesca da sardinha.

Tinha eu oito anos de idade, não me lembro bem em que dia da semana era, mas isso não tem muito em conta para o caso.

Isto eram três horas da manha e eu foi acordado pelo meu pai, eu estava dormindo como um bebé quando ele me disse levanta-te porque vens para pesca, mas eu não tinha pedido para ir mas como não havia ninguém mais lá teve eu de embarcar para pesca da sardinha com as redes de malhar, nos barcos de boca aberta (barcos tipo lancha poveira) que se virassem ficariam de fundo para o ar, por isso naquele tempo eram os barcos que se usavam para pesca da sardinha com redes de malhar.

Redes de malhar eram redes que se estendiam ao sabor da corrente marinha ao longo de umas centenas de metros a sua mercês e conforme o peixe atravessava ficava malhado na malha da rede, depois tínhamos de desemalhar o peixe da rede, porque ficava com a cabeça na malha malhado.

Quanto eu me lembro era dias de verão o mar estava calmo mas como não deixou de ser um pesadelo para mim quando dei conta que enjoava, foi uma experiencia da primeira maré muito má não fiquei a gostar, ou seja gostava de ser pescador mas não gostava de enjoar, era horrível, era uma doença queres trabalhar e ajudar e em vez disso estar como um morto sem poder fazer nada, mas o enjoo era mais forte do que eu.

Teve de ter muito sofrimento para me adaptar ao mar e não sofrer com o enjoo, porque muitas das vezes ainda estava em terra firme e lá estava eu já enjoado sem ter os pés no barco mas só por saber aquilo que eu ia sofrer a mente já estava a trabalhar, e não havia volta a dar.

Voltando ao principio, eu lá me teve que levantar e ir, que remédio com enjoos ou sem tinha mesmo não havia mais ninguém, eu sei que ia de fraco agrado e foi todo caminho a resmungar até chegar ao barco, eu lembro-me de estava uma calma um céu estrelado, e eu zangado pelo caminho ia dizendo havia de não dar uma sardinha, como não deu, mas deu uma carga de cavala, que não pagou o trabalho, porque naquele tempo a cavala era um peixe que não tinha muito valor, sei que me lembro de que sai de casa as três da manha e entrei as três da tarde sem descansar e nada ganhei, assim era a vida dos pescadores naquele tempo havia dias assim.

Espero que tenham gostado da minha história real de um pescador ainda em frase de aprendizagem e com muitos enjoos.

Um muito obrigado

Jimmy o marinheiro

 

 

 

sinto-me: contador de factos
publicado por marinheirojimmy às 21:04
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Sábado, 23 de Janeiro de 2010

Mar

MAR

Ó mar meu sonho de embalar

Em ti encontrei o meu navegar

Para dizer o sinto, na verdade

Porque só assim sinto liberdade

Sem vitória de vaidade

Isolado não me sinto

Para como amigo

Te dizer o que sinto

Nas minhas veias de navegador

No respeito do carinho

Nesta amizade sim senhor

Eu assim navego conforme posso

E como me deixam

Mas sempre te vou respeitar

Levo todos apetrechos

Para não me perder

Mais sim tentar ver o caminho

Com coração, não querendo dizer

Que navego e que tinha razão

Entre ti e mim

Tem de haver compreensão

Só assim não há desilusão

E haverá o que sempre houve

Amizade carinho e união

Verdade dói! Porque será?

Onde está o sentimento

Porquê tanto ressentimento

Por ser marinheiro,

Não sou dono mundo

Nem tenho dinheiro

Compro no merceeiro

Tem de ser tudo por inteiro

Nem sempre sou aquilo

Que queriam que fosse

Podia ser doutor, engenheiro

Carpinteiro, poeta, ou varredor

Dou graças a deus por ser marinheiro

Com grande coração

Ouvir meus amigos com devoção…

 

Jimmy marinheiro

 

sinto-me:
música: Dulce pontes
publicado por marinheirojimmy às 16:59
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Domingo, 10 de Janeiro de 2010

Saúdade de Marinheiro

Saudade de um marinheiro

Voltando aos dias actuais de um natal sem família e sem amigos

Mas com companheiros de trabalho, tenta-se amortecer a saudade com telefonemas e tentar que o tempo passe despercebido e rápido nestes dias memoriáveis, dias sentidos no alto mar e num  pais que não é o nosso, ainda nos faz sentir mais ainda, eu passei assim a minha ceia de natal, eram cinco horas da tarde comendo o bacalhau cozido, o mais rápido possível para não pensar e queria o novo dia, porque eram muitas memórias todas juntas, não fui bem comer eu digo que fui só manter presença.

Subi a minha cabine liguei a internet Há Há sim agora os marinheiros podem usar internet

Li um pouco os meus amigos e como estava tudo calmo porque estavam todos em festa e de decidi por ver um filme e dormir assim fui o meu natal, assim fui a minha ceia de natal.

No dia vinte e cinco temos o natal com toda tripulação e aí começamos a comer ao meio dia porque estávamos de standby para o trabalho. Mas deu tempo para celebrarmos o natal, parecia uma família reunida, desejamos um feliz natal com comprimentos e cada um a sua maneira do seu pai. Sim porque eu trabalho com polacos ingleses e portugueses e escoceses

Foi lindo aquele momento mas bem sempre a memória aqueles aquém nós amamos e sentimos saudades nesses momentos.

Assim é o natal do marinheiro Jimmy

Feliz ano novo para todos vocês um forte abraço

JIMMY  O MARINHEIRO

 

sinto-me: bem com todos
publicado por marinheirojimmy às 13:20
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.Contador





contador de visitas







 photo 10703768_822814667739718_7346336863707751898_n-1.jpg

height="200"
http://www.promarinha.pt
Uma Empresa de Nome e Historia
  height=  height=
Em Homenagem aos
amigos e companheiros
Marinheiros Pescadores
Das Caxinas -Vila do Conde

.posts recentes

. Artista & Pescador

. Acessórios de Moda-Nós de...

. Assim se faz no mar do No...

. Pescadores precisam-se.

. Oferta de Emprego para Ma...

. Sailing in the seas of In...

. DIA DA MARINHA, PORTUGUES...

. Trabalho no Mar do norte

. Estrela do Mar

. Caxinas--- Terra Querida

.arquivos

. Outubro 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Janeiro 2017

. Outubro 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Fevereiro 2016

. Dezembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009






Estou a seguir


 photo dories.jpg













eXTReMe Tracker