Quarta-feira, 25 de Junho de 2014

JAMES WINNEFEL Almirante-de-Esquadra Marinha dos EUA

SAUDAÇÕES NAVAIS "O enjoo vem para Todos, o perigo idem , não há retaguarda, todos estão imbuídos da mesma vontade e destino! Tem mesmo de existir união... E, depois, há o " nosso navio"!!! JAMES WINNEFEL Almirante-de-Esquadra Marinha dos EUA Assim como deixou claro o Marechal Montgomery, os marinheiros são diferentes dos seus camaradas da Força Aérea e do Exército. Eles falam uma linguagem própria, fazem perguntas diferentes, dão respostas diferentes, suportam fainas pesadas com alegria e formam um clã especial. Suas vidas são definidas por uma sucessão de comissões e eles formam um intrigante amálgama de tradição. Como podemos perceber a diferença entre os guerreiros das três forças? Por que os marinheiros são tão diferentes? Mesmo aqueles marinheiros que também são pilotos são diferentes de seus colegas da Força Aérea. Também mesmo aqueles marinheiros que também são soldados – e chamados de Fuzileiros Navais - são diferentes de seus camaradas do Exército. As respostas a estas questões têm suas raízes no ambiente no qual vivem e lutam os marinheiros.Isto se aplica para a Marinha de Guerra e na Marinha Mercante com certas modificações pois lá o supremo é o Comandante. O soldado molda seu ambiente alterando seus contornos, explorando o terreno, dominando-o com o poder de fogo, ou, quando tudo mais falha, movimentando-se para outro ambiente. O piloto é um acrobata que desafia a gravidade. O ar é um meio para a liberdade. De sua posição vantajosa acima de seus colegas guerreiros, ele dá grande ênfase na superioridade e no controle. O marinheiro, por outro lado, está constantemente na presença de uma força maior que ele mesmo. Ele sente o tempo através do balanço e do caturro de seu navio. Uma vez no mar, não é uma questão simples voltar para a terra, não há passeios no shopping, não existe energia de terra, não há telefone para saber notícias, não há carteiro diariamente ou jornal para se manter em contato com o mundo, não existe licença para aliviar as tensões de um dia, e nem há a presença nem o conforto da família. O piloto conquista seu ambiente, o marinheiro sobrevive nele. O soldado molda e explora seu ambiente, o marinheiro deve se ajustar a ele. O soldado depende de “armas combinadas”, o marinheiro precisa confiar em si mesmo e no mundo limitado pelo seu navio. O soldado deve avançar ou retrair, o marinheiro deve permanecer e lutar. Em tempos modernos, mesmo a opção de se render está além do alcance dos marinheiros, ele luta e morre com o navio – mesmo se o navio for um casco soçobrado em chamas abaixo de seus pés. Tais forças incutem no marinheiro uma combinação única de qualidade: autoconfiança, respeito e atenção ao seu comandante, e um acentuado senso de responsabilidade. O comandante está na frente de batalha, e não nos quartéis-generais da retaguarda; ele deve enfrentar o inimigo, pois está tão exposto como o mais moderno marinheiro a bordo. Não existe retaguarda para um navio em combate. Almirantes e marinheiros dividem igualmente o risco de enfrentar o fogo inimigo ou a fúria de um temporal, pois estão, literalmente no mesmo barco. Os espaços limitados de um navio de guerra – mesmo de um grande navio – forçam a amizade entre seus tripulantes. Não existe lugar para se esconder. As forças ou as fraquezas são logo descobertas e conhecidas. A capacidade profissional do comandante está a vista à vista de todos, todo dia. Uma atracação malfeita simplesmente não pode ser escondida dos subordinados. Da mesma maneira, um comandante que mostra zelo pelo profissionalismo, que tem especial atenção no trato com os subalternos, sem no entanto deixar de corrigir as falhas que apareçam, é imediatamente considerado um herói para todos. Um marinheiro a bordo não pode deixar de participar das fainas, ao contrário de alguns pilotos que colocam suas aeronaves “indisponíveis” na inspeção pré-vôo. Um marinheiro deve estar preparado para as vicissitudes da natureza e do inimigo, e em conseqüência ele deposita um grande crédito na prontidão e na prudência. Ele se prepara para o improvável e até mesmo para o impossível. Para seus pares de terra e ar, ele se parece muito conservador. Para ele, as coisas importantes simplesmente precisam funcionar, e por isso precisam ser simples. Ele ainda acha que os mastros são apêndices úteis – mesmo após ter passado o tempo da Marinha a Vela – para estender seu horizonte e como lugar para colocar seus equipamentos mais usados. Ele aceitou o cabo de náilon, mas ainda existe um lugar especial no seu coração para o cabo manilha. Aceitou a turbina a gás na propulsão de seus navios, mas guarda ainda um lugar especial para o vapor. Realmente, suas veias parecem estar cheias de vapor; no preparo do rancho, na transformação de água salgada em água doce, para o aquecimento e, em alguns casos, para o lançamento de aeronaves. Quase todos os navios de guerra têm vapor em seus sistemas para o apoio à vida de bordo. Por ser navio uma entidade completa, o marinheiro dá grande importância em moldar suas ações de maneira independente dos outros navios e das bases. Ele se recente quando sofre interferência de terceiros ao lhe dizerem como conduzir duas tarefas, e está feliz quando o único navio, de horizonte a horizonte, é o seu. A presença de um navio mais antigo o impede de ter paz em sua mente, e ele se torna o principal crítico dos erros cometidos pelo navio capitânia. É o seu navio contra o ambiente, o inimigo, ou mesmo contra o navio irmão. Não existe maior competição na terra do que a que ocorre entre navios de um mesmo esquadrão, ou da mesma força-tarefa. Lealdade ao navio e lealdade a sua força são dogmas a serem seguidos. Um soldado certamente terá uma Associação do Batalhão, para que se relembre do passado, mas um marinheiro se lembra apenas do seu navio. Raramente ocorre a um marinheiro formar uma Associação da FT 94 ou uma Associação da Esquadra. Um oficial sempre se lembrará de seu primeiro navio, dos nomes do timoneiro e do vigia de seu quarto de serviço, e das situações que eles enfrentaram no porto ou no mar. Uma das experiências mais gratificantes para o homem do mar é recordar os “ bons tempos”, quando se encontra com antigos companheiros de bordo. Esta experiência vivida pelos marinheiros, ao longo de suas carreiras, gera um senso de lealdade entre as tripulações e com a Marinha que é um elo, sem nada correspondente nas outras Forças. Para o marinheiro, as entidades organizacionais dos soldados e dos pilotos se parecem com uma “ sopa de letras”: os números mudam, as pessoas são transferidas rapidamente e as Unidades não têm um nome ou um número. Já o navio do marinheiro tem um nome e, o que é mais importante, geralmente é um nome lembrando uma passagem vitoriosa da história de seu País ou o nome de algum herói nacional. Os marinheiros valorizam essa conexão com o passado e vêem-se tão capazes como seus antecessores. Mas a tradição não é simplesmente um guia para a ação, é uma forma de lealdade à Força e uma reafirmação do lugar do marinheiro na fila dos heróis. Os costumes e as cerimônias navais reforçam o senso de identidade e de continuidade. Uma passagem de comando, o lançamento de um navio ou o cerimonial à Bandeira Nacional são ocasiões nas quais a comunidade naval expressa a sua confiança e seu apreço pelos homens do mar. As honras ao navio e à sua tripulação são confirmadas na presença de amigos, parentes e colegas de farda. O termo “ conservador” parece ser melhor aplicado aos oficiais de Marinha do que aos de outras forças. Um marinheiro reluta sempre em abandonar o que, no passado, lhe serviu de maneira eficiente. Ainda hoje os oficiais se apresentam aos chefes de departamento, e estes a seus imediatos, antes de baixarem terra. A chegada e a saída do comandante a bordo são cercadas de cerimoniais; içar ou arriar a bandeira substituta, informar ao imediato ou ao oficial de serviço, o qual acompanhará comandante até a câmara. A chegada do comandante da força ou de um almirante a bordo é o bastante para transformar o mais pacato dos navios num frenesi de preparativos, com atenção ao detalhe. Essas cerimônias e tradições parecem estranhas para o soldado, para o piloto e para o civil, mas para o marinheiro são parte da vitalidade de sua experiência profissional; ele sabe o que se espera dele e onde estão depositados a honra e o reconhecimento. Mas o marinheiro também sabe premiar aqueles que sabem combinar tradição com inovação. Ele faz um balanço entre os dois pólos: aqueles que acham que porque é velho é que deve ser bom, e aqueles que pensam que se é novo deve ser melhor. Na verdade, ele confia nas coisas velhas, mas reconhece o valor do novo. O radar, a turbina a gás, o avião, a propulsão nuclear e a comunicação por satélite revolucionaram o mundo no qual ele vive, mas o mar ainda está lá. Os navios são ainda danificados ou afundados pelo mar, navios ainda se chocam em um mar sem sinais de trânsito ou vias expressas. As mesmas características são divididas entre Marinhas. Os marinheiros geralmente têm simpatia por seus colegas estrangeiros. Eles enfrentam os mesmos perigos e respondem aos desafios de maneira semelhante. Eles comungam reverências às tradições e aos costumes da mesma forma, e, em muitos casos, até as fontes das tradições são as mesmas: tradições cultivadas pela Marinha a Vela. Na medida em que ingressamos na era das operações conjuntas e combinadas, os marinheiros terão que fazer alguma concessão aos companheiros das outras forças, porém a natureza única da profissão naval e de seu ambiente peculiar certamente marcarão de forma indelével a forma e o conteúdo dos planejamentos e das operações. Os soldados e os pilotos certamente aprenderão que os aparentemente excêntricos e tradicionais marinheiros são, na verdade, profissionais moldados pela água salgada. “ Onde o espírito não teme, a fronte não se curva”

 
publicado por marinheirojimmy às 20:50
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 22 de Abril de 2014

Navios

 

 

 

 

publicado por marinheirojimmy às 21:39
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 13 de Outubro de 2011

Com vista para o mar

 

 

 

Com vista para o mar

Foi minha despedida

Meus olhos molhados

Neles tu navegavas

Entre o pensamento

 E a solidão

Perdido na imensidão

Do oceano percorrido

Navegava eu com sentido

Dos meus sentimentos

Enfadados na tristeza

Do amor

Sim ai estava o enredo

Da solidão

Do mar percorrido

Deixava de ser colorido

Sem sabor e sem colorido

Ao sabor do vento

E do pensamento

Navegava solitariamente

Mas porque me tinha despedido

Na minha partida

Quando ao teu lado podia estar

Porque fugia

Em vez de te amar

E em voz alta gritar

Não quero partir

Mas sim, ao teu lado estar

Porque o meu amor

É grande e quero continuar

Amar...

 

 

publicado por marinheirojimmy às 23:23
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 5 de Julho de 2011

Wild Thing

Wild  thing

Time can make more rubble

Out of dreams than anything

In a quiet neighborhood

Where she`s living without wing

There`s eyes behind the curtains

And there`s ears below the floor

Cracks inside the ceiling

And shadows at the door

The boredom stirs a rage inside her soul

A rage that reaches out and takes control

 

Nine days out alone

Sleeping in the dirt

She walks back into town

With blood stains on her shirt

Everyone has questions

But no one wants to know

How far the anger in someone

Can really make them go

Tangled hair and mud stains on her knees

Bruised ribs and rips inside her jeans

She`s a wild thing

 

I used to be a citizen in this town

Until my teeth turned grey and my hair fell out

A symbol to some people they don`t want to know

A girl looking for trouble says she`ll give me a go

 

While everybody’s sleeping this town is mine

From the crooked clock tower to the border line

The night stars static in the winter breeze

She`s lying in the moonlight with her hand

Between her knees

 

She says it’s alright by me

She`s a wild thing…

 

Noah and whale.

 

By Jimmy the fisherman.

publicado por marinheirojimmy às 15:50
link do post | comentar | favorito
Domingo, 19 de Junho de 2011

Sonhos Desfeitos

 

Sonhos desfeitos

 

Porque sonha o homem

Sonha por sonhar

Ou

Ama seu sonho

Sonhei

Que um dia seria alguém

Mesmo sem vintém

Mas porque sonharia

Tal dito sonho

E porque seria

São sonhos defeitos

Por defeito da vida

Assim via

Mas porque sonhei?

Autor-Jimmy o Marinheiro

publicado por marinheirojimmy às 03:36
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Terça-feira, 7 de Junho de 2011

O Mar,o Amor, e Eu

 

aqui está numa viagem de ferias do meu tempo de ferias.

 

linda que me enamora pelo o meu mar.

 

De ferias com o meu mar.

 

 

Em ferias com o meu mar

 

beijinhos para todas amigas do meu blog,Aqui estou de ferias

eu o mar e o sol e o amor.

 

autor-Jimmy o Marinheiro

publicado por marinheirojimmy às 15:49
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Sexta-feira, 6 de Maio de 2011

Beijo Marinho

Aqui esta um lindo exemplo de dois adorados golfinhos

amar o seu semelhante para termos uma vida melhor...

Jimmy o Marinheiro

publicado por marinheirojimmy às 05:35
link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
Domingo, 17 de Abril de 2011

Dá.me um Abraço

feliz Domingo

 

Miguel Gameiro - Dá-me um abraço  

Dá-me um abraço que seja forte

E me conforte a cada canto

Não digas nada que o nada é tanto

E eu não me importo

.. ..

Dá-me um abraço fica por perto

Neste aperto tão pouco espaço

Não quero mais nada, só o silêncio

Do teu abraço

.. ..

Já me perdi sem rumo certo

Já me venci pelo cansaço

E estando longe, estive tão perto

Do teu abraço

.. ..

Dá-me um abraço que me desperte

E me aperte sem me apertar

Que eu já estou perto abre os teus braços

Quando eu chegar

.. ..

É nesse abraço que eu descanso

Esse espaço que me sossega

E quando possas dá-me outro abraço

Só um não chega

.. ..

Já me perdi sem rumo certo

Já me venci pelo cansaço

E estando longe, estive tão perto

Do teu abraço
.. ..

Já me perdi sem rumo certo

Já me venci pelo cansaço

E estando longe, estive tão perto

Do teu abraço

.. ..

E estando longe, estive tão perto

Do teu abraço

 

 

publicado por marinheirojimmy às 12:56
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
Sexta-feira, 8 de Abril de 2011

Regresso

Regresso

Assim volto ao meu porto

Com toda saudade

Não imaginas meu coração

Nesta onda de felicidade

Volto e voltarei

Não quero que descubras

Por onde naveguei

Para que sofras aquilo que passei

Quero sim que vejas

Minha alegria,

Porque voltei

E voltarei sempre

Lutarei contra

Os monstros e

E as sereias Falsas

Não me deterão

Para ao teu encontro vir,

Combati tempestades

Entre onda de mistério

O rumo descobriu

Nos mistérios dos oceanos

Tu mostras-te que os sete mares

Sabem guardar segredos

Onde sereias encantam

E me escondia

Entre rumos falsos

E verdadeiros

Esses rumos da felicidade

Onde eu adoro sentir

E sinto grande felicidade

Por teu coração ouvir

Tuas palavras contemplar

Que faz alegria pairar

Na onda de alegria rumar…

 

Autor-Jimmy oMarinheiro

 

 

Para ti eu escrevi. com um doce beijinho.

feliz fim de semana.

 

Jimmy o Marinheiro

publicado por marinheirojimmy às 10:24
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito

.mais sobre mim

.Arte de Marinheiro







.Maio 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.Contador de visitas

page visitor counter
who is online counter blog counter

.posts recentes

. JAMES WINNEFEL Almirante-...

. Navios

. Com vista para o mar

. Wild Thing

. Sonhos Desfeitos

. O Mar,o Amor, e Eu

. Beijo Marinho

. Dá.me um Abraço

. Regresso

.arquivos

. Maio 2018

. Abril 2018

. Outubro 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Janeiro 2017

. Outubro 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Fevereiro 2016

. Dezembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

.Contador