Sexta-feira, 13 de Fevereiro de 2015

Poema do Sr,Fachada,

10624659_608899605923414_8749645776542624666_n.jpg

 

Pesca de bacalhau

No cais uma criança
Agarrada a sua mãe
Que dizia com esperança:
-Vai, amor e volta em bem.

Ao mesmo tempo acenava
Ao navio que já partia
E em mim que isto olhava,
Também a alma doía.

-Mãe, o papá pra onde vai?
Pergunta triste o infante.
-Vai à pesca do bacalhau
Para uma terra distante.

Senti penas desgraçadas...
Porém tive eu que rir
A bandeiras despregadas
Com o que se deu a seguir.

O petiz pergunta à mãe:
-Porque não vem com a gente?
Ele podia muito bem
Ir comprá-lo ao Continente.

Fachad

publicado por marinheirojimmy às 17:22
link do post | comentar | favorito
Domingo, 15 de Maio de 2011

Mar Brinquedo Meu

Parte da minha infância

Era assim não havia ou por outra havia brinquedos, mas faltava o principal,

O dinheiro então era tudo imaginação dos putos do meu tempo íamos as fábricas das conserveiras e como eles faziam enlatados nós miúdos íamos ver se conseguíamos algumas latas e depois fazíamos nos nossos navios, e então aí sim éramos comandantes marinheiros de tudo um pouco dentro da nossa imaginação.  

Aqui fica esta parte do meu tempo…

Jimmy o marinheiro

publicado por marinheirojimmy às 05:09
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Segunda-feira, 1 de Fevereiro de 2010

Nau da Esperança

Nau da Esperança

 

De longe venho

Por países distantes naveguei

Tenho tudo gravado

Por onde passei

Passei tudo a pente fino

Aquilo que semeei 

Tentei dar amor

Que nunca encontrei

Apaixonei-me por uma donzela

Acho que errei

Foi donzela errada

Aquela que conquistei

Fez-me passar

O cabo das tormentas

Quase naufraguei

Minha nau era forte

E contra corrente lutou

Amansou a tempestade

Aquela que se gerou

Mudou de rumos

Em outro oceano navegou

Navegava triste e melancólica

Sem forças para viagem

Não deslumbrava nada

Daquilo que o mar transformava

Foi uma experiencia

Que não contou para nada

Era igual a sabedoria catapultada

São amores que ficam no cais

Esperando por nova arribada

Vai viver de promessas

Das mesmas que não servem de nada

Quero uma nau alegre

Com um porão

Cheio de esperança

Quero dobrar novamente

O cabo de boa esperança…

Jimmy Marinheiro     

 

 

sinto-me: contador de historias
música: do mar
publicado por marinheirojimmy às 18:46
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

.mais sobre mim

.Arte de Marinheiro







.Maio 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. Poema do Sr,Fachada,

. Mar Brinquedo Meu

. Nau da Esperança

.arquivos

. Maio 2018

. Abril 2018

. Outubro 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Janeiro 2017

. Outubro 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Fevereiro 2016

. Dezembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009